*É um Lusófono com L grande? Então adira ao MIL: vamos criar a Comunidade Lusófona!*
BLOGUE DO MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO

Participe também nas nossas páginas "facebook":

http://www.facebook.com/groups/2391543356/
http://www.facebook.com/groups/168284006566849/

E veja os nossos vídeos:
http://www.youtube.com/movimentolusofono

Apoiado por muitas das mais relevantes personalidades da nossa sociedade civil, o MIL é um movimento cultural e cívico registado notarialmente no dia quinze de Outubro de 2010, que conta já com mais de 40 milhares de adesões de todos os países e regiões do espaço lusófono. Entre os nossos órgãos, eleitos em Assembleia Geral, inclui-se um Conselho Consultivo, constituído por uma centena de pessoas, representando todo o espaço da lusofonia.
Defendemos o reforço dos laços entre os países e regiões do espaço lusófono – a todos os níveis: cultural, social, económico e político –, assim procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade.

SEDE: Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa)
NIB: 0036 0283 99100034521 85; IBAN: PT50 0036 0283 9910 0034 5218 5; BIC: MPIOPTPL; NIF: 509 580 432

Caso pretenda aderir ao MIL, envie-nos um e-mail: adesao@movimentolusofono.org (indicar nome e área de residência). Para outros assuntos: info@movimentolusofono.org. Contacto por telefone: 967044286.

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"

"Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa"
Trata-se, actualmente, de poder começar a fabricar uma comunidade dos países de língua portuguesa, política essa que tem uma vertente cultural e uma outra, muito importante, económica.

A direita me considera como da esquerda; esta como sendo eu inclinado à direita; o centro me tem por inexistente. Devo estar certo.


Agostinho da Silva

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Breve nota sobre a presença de Espinosa no pensamento de José Marinho


As referências de José Marinho a Espinosa não são muito frequentes, mas nem por isso deixam de ser significativas. No essencial, no caminho do meio que Marinho procurou trilhar, entre a “união” e a “cisão”, Espinosa aparece-lhe como um dos polos de referência, sempre (mais) do lado da “união”. Eis, nomeadamente, o que podemos apreender, de forma lapidar, na seguinte passagem, em que Espinosa surge em contraponto com Hume: “…um demasiado une, Espinosa, outro demasiado cinde, Hume, outro finalmente, como Hegel, ilusoriamente pretende aos contrastes do abismo conciliar.”.

De resto, como o próprio José Marinho veio posteriormente a reconhecer, partiu ele, antes de uma “radicalização ontológica”, de “um unitarismo muito próximo do de Espinosa”, o mesmo é dizer, de uma concepção de “ser absoluto ou Deus” que anulava, por si só, “toda a alteração, todo o tempo e ser do tempo, todo o múltiplo”, ou seja, em suma, a própria “cisão”, precisamente o que veio, enfim, por via dessa “radicalização ontológica”, a aceitar – ainda nas suas palavras: “Tudo quanto chamamos mal e queda era para ele excluído enquanto pensador do então suposto puro ser e saber da verdade. Era a fase em que ele negava toda a alteração, todo o tempo e ser do tempo, todo o múltiplo (...). Depois, forçado inevitavelmente a aceitar o que negara, o pensador procurou um termo adequado. Encontrou cisão (...).”.

Descreve Marinho essa sua “radicalização ontológica” nestes termos: “Sem abandonar o sentido unitário filosoficamente primordial e inabalável, aumentou até um grau inesperado o sentido da imensa pluralidade e diversidade.”. Daí ainda, nesta esteira, estas suas palavras: “Ora duas opostas vertentes de escoam desde o Renascimento aos nossos dias as águas da verdade valiosa e da vida fecunda: pelo Deus que é demasiado substância, em Espinosa, que é demasiado humano, em Pascal./ Deus é substância, mãe e matéria, mas é preciso ver como, fugindo à analogia do ventre da mulher e da mãe natureza. Ele é pessoa, pai e espírito, mas importa ver aqui uma espécie de ‘quando’, fugindo à analogia do espírito humano preso ainda na processão dual da alma e do corpo.”.

Daí ainda, enfim, estas suas referências a Espinosa que pudemos encontrar na sua obra: “A filosofia de Hegel não nega, e isto deveria ser evidente para todos quantos filosofam, o pensamento de Parménides. O genial pensador (…) diz de maneira explícita na Lógica que o seu pensamento sintético só tem sentido se se atribui toda a força de sentido ao pensamento parmenidiano, ou, numa forma mais recente, ao pensamento de Espinosa.”; “O pensamento de Bergson e o dos seus análogos situa-se justamente entre o máximo da intuição de Espinosa e o mínimo da intuição de Kant.”; “Os chamados post-kantianos, desejando, por um lado receber e manter o que de fecundo havia na crítica de Kant, ou no seu âmago, procurando, por outro lado, esquivar os negativos efeitos do criticismo, ligam-se a Espinosa, no qual encontram, como é comum nos filósofos de tendência especulativa, mesmo não unitários, uma garantia perene da prima filosofia.”.

Sem comentários: